Sobre Radiónica
Inserir subtítulo aqui

 A energia Sutil do Biocampo

Desde que Albert Abrams descobriu a radiônica, há 100 anos, a questão de como ela funciona tem surgido continuamente. Abrams suspeitou que o efeito que descobriu foi uma mudança nos potenciais elétricos do corpo humano. Com base nisso, ele também executou suas terapias, transmitindo impulsos elétricos a uma pessoa nas taxas radiônicas correspondentes. No entanto, o mais tardar através do trabalho de Ruth Drown e George de la Warr, tornou-se claro que este efeito não poderia ser de natureza elétrica, uma vez que esses dispositivos funcionavam completamente sem conexão elétrica, deveria haver conexões que eram anteriormente desconhecidas ou pesquisadas e isso poderia explicar melhor o modo de operação da radiônica.

Existem agora muitos modelos explicativos que vão desde a física quântica moderna e a visão holográfica do mundo  até campos morfogenéticos e campos de dados internos até a teoria do caos. Certamente, cada abordagem é coerente em si mesma, já que todas estão inter-relacionadas, e está além do escopo deste artigo discutir cada uma dessas abordagens. Faremos uma abordagem mais simples aqui, mas com base nas mencionadas.

Em primeiro lugar, é importante diferenciar em que área estamos nos movendo com os nossos procedimentos. Primeiro, há o campo da medicina ortodoxa, que lida principalmente com o lado material de doenças como e com a eliminação de sintomas físicos. A medicina vibracional já intervém em estruturas significativamente mais sutis do que apenas as materiais e físicas. Aqui, vibrações de diferentes faixas de frequência ou campos magnéticos pulsantes são usados. Até este ponto, a conexão entre a terapia realizada e o efeito nas pessoas é geralmente fácil de entender, mesmo quando se trata do uso de terapia neuroelétrica ou aplicações de Rife. Os procedimentos energéticos mais refinados, como acupuntura ou orgonoterapia, devem também podem ser classificados aqui no contexto mais amplo. A radiônica, entretanto, pertence ao grupo de procedimentos que podem ser atribuídos à medicina da informação. Outros exemplos de métodos informativos são a homeopatia, as diversas terapias florais e também a nova homeopatia,  fundada por Erich Körbler, que trabalha essencialmente com símbolos.
Para que possamos tornar essas conexões um pouco mais claras, vamos examinar um plano que divide essas áreas em três níveis (consulte a Figura 1, abaixo). Nisto vemos a divisão das três áreas mencionadas acima com relação às diferentes visões de mundo. Ao mesmo tempo, também podemos ler nele quais processos de criação e desenvolvimento estão por trás de nossa vida. Claro, esta é uma divisão em três grandes áreas, o que deve ser suficiente para nossa consideração. Na verdade, cada nível é subdividido. O físico alemão Burkhard Heim descreve um espaço de 12 dimensões. o que é mencionado aqui apenas para comparação. A maioria dos leitores certamente já ouviu os termos nos níveis individuais, porque eles mostram os esforços das pessoas para encontrar explicações repetidas de como e por que a vida funciona. No nível inferior, encontramos toda a gama de matéria, substância e forma, na qual o nosso corpo material também está incluído. Este nível abrange nosso espaço físico compacto e é "tocável", por assim dizer.

Rupert Sheldrake mostrou repetidamente, nos resultados de sua investigação, que a forma deve ser baseada em uma estrutura supraordenada. Ele  chama essa estrutura de campo morfogenético. A força motriz primordial para a manifestação da forma material é, portanto, um padrão informacional e energético. Assim, essa estrutura energética  não se forma por si mesma, ela também tem uma força motriz, e a encontramos no terceiro nível do nosso plano. A ideia ou visão, o escalar, o símbolo ou o número, não menos o inconsciente coletivo, são o gatilho para o surgimento de uma potencial estrutura energética. Para tornar essa interconexão mais clara, vejamos um exemplo prático: Digamos que queremos construir uma casa. Para fazer isso, encomendávamos vários caminhões de tijolos e os despejávamos em nossa propriedade. Então, chamamos os pedreiros e lhes damos a tarefa de construir uma casa com essae material. Provavelmente, só faremos abanar a cabeça dos pedreiros de forma incompreensível se não conseguirmos apresentar uma planta de construção, porque as possibilidades de construir uma casa com os tijolos existentes são quase infinitas. Então o que deveríamos fazer? Provavelmente iríamos a um arquiteto para transmitir-lhe as nossas ideias, concepções e visão da nossa casa (nível informacional). O arquitecto torna-se activo, transforma as nossas ideias em informação colocando-as no papel.  (nível informacional), o potencial plano de construção está feito. Essa ideia de  projeto potencial também se aplica ao homem.  Este plano de construção, por sua vez, é uma projeção da forma material da nossa casa,  sendo a informação para a próxima etapa, a construção da casa. Sem essa planta, nenhum pedreiro poderia construir nossa casa.  Os pedreiros então  colocam sua energia e movimento no projeto (nível energético), e dão forma à casa, que é criada a nível material. Este é o princípio fundamental da criação: A manifestação começa sempre na dimensão informacional, passando à energética e só então finalizando na dimensão puramente física.  do surgimento das formas materiais. Tudo no nosso universo, todos os processos de desenvolvimento, acontecem desta forma, quer imaginemos o nosso parceiro ideal que gostaríamos de ter, quer o parque de estacionamento no centro da cidade, onde sim não há lugares de estacionamento de qualquer maneira. O princípio é sempre o mesmo, desde a ideia, a informação sobre o padrão energético, a ação, até a forma física ou material. Esse processo pode ser naturalmente repetido multiplas vezes.

Como já mencionado, a radiónica entra em jogo no nível da informação, ou seja, diretamente no plano de construção. A partir deste nível, ela mede as condições reais de um sistema tão complexo como o humano e pode, portanto, não apenas registrar informações sobre desvios físicos (por exemplo, doenças), mas também informações na área energética, psicológica e mental. Isso significa que uma investigação direcionada para as  causas pode ser realizada, uma vez que eliminar os sintomas não deve ser o único objetivo do tratamento.

O tratamento radiônico (balanceamento) fornece informações corretivas sobre o nível de informação no sistema humano, animal ou vegetal e faz com que esse sistema faça a correção, o que leva à (auto) cura. Informações corretivas chamadas taxas ( rates), ou seja, códigos numéricos  que representam os pontos correspondentes no "plano de construção", no campo de informações ou campo de dados intrínsecos (IDF, intrinsic data fields ) e que re informam  todo o sistema.

A questão agora é: como os dispositivos radiônicos estabelecem a conexão entre a pessoa e o IDF associado? Já encontramos a resposta em nosso plano de planos: usando as chamadas frequências escalares que são informações puras. As taxas ou rates radiónicas são escalares. Na definição geral, escalares referem-se a termos como massa, energia ou temperatura, densidade, carga, etc. Na verdade, o escalar contém mais informações do que apenas esses valores. Se considerarmos uma pedra numa parede como exemplo, essa pedra tem uma certa energia potencial que está adormecida nela. Se a pedra cair da parede, essa energia é liberada e se converte em uma força vetorial com um máximo de energia cinética até ao impacto. Até agora, nada de incomum. O que normalmente não consideramos é que essa pedra na parede, também contém as informações sobre o que ela faz quando cai e bate. Cai na cabeça de alguém? Ela quebra a janela de um carro?  O campo energético escalar desta pedra também contém essa informação. Coincidência ?? Certamente que não, mas este é um assunto diferente.

De volta à conexão entre humanos e seus IDFs. Dispositivos radiônicos modernos usam as chamadas antenas escalares para estabelecer essa conexão. No caso mais simples, as antenas escalares são construídas como enrolamentos bifilares, que trazem o componente vetorial para zero e dobram o componente escalar (Fig. 3). O Dr. Willard Frank desenvolveu o SE-5 que  foi projetado especificamente com antenas escalares para analizar e reinformar  de forma otimizada o os campos escalares.

O controle sutil da fisiologia

  É sabido que o biocampo é autocefálo (capaz de se conduzir ao equilíbrio). Ao nível quântico, as moléculas podem ser consideradas como estruturas espaciais que, ao serem alinhadas de determinadas formas, são capazes de interagir com outras estruturas. Em outras palavras, o alinhamento das "estruturas" subatómicas também pode estimular as ligações e, consequentemente, produzir reações químicas. O biocampo, devido a essa característica, é realmente responsável por dirigir a estruturação electrónica das moléculas dentro do seu corpo. Os místicos e a ciência consideram que o corpo etérico é que determina as condições do corpo físico. Desta forma, ele serve não só como um controlo para a transferência de informações, mas também influencia todas as reações químicas. Por isso, o biocampo pode ser visto como o sistema de origem e controlo mestre para todos os processos fisiológicos, saudáveis ou não.

A cura etérica



.

Cada sistema vibratório tem uma frequência tida como natural. Frequência natural é a frequência que pode ser observada quando não há condução ou amortecimento das forças em ação. Se a força motriz de um sistema é a mesma que a frequência natural, a amplitude das vibrações do sistema pode tornar-se muito maior do que as da força motriz.  Este fenómeno é referido como ressonância. Por este motivo, a frequência natural é também referida como a frequência de ressonância. O nível energético acima, é o nível  informacional, um nível abstrato, onde a indução e informação é criada.  Não há nesse fenómeno, dimensões nem espaço ou tempo. Este nível é organizado em campos. São os "campos informacionais", ou morfogenéticos de Rupert Sheldrake. Eles penetram, comunicam e operam, inclusive  controlam os níveis de matéria e energia. Ao reunir o indefinido universo multidimensional descrito pela teoria das cordas, que é o campo morfogenético, fisicamente comprovado, podemos explicar a cura etérica.

Depois de concluída uma análise radiónica, o que é que produz o "equilíbrio energético"?

A frequência inversa ao que é encontrado como negativo.

Frequências de cores.

Frequências de essências florais

Frequências de cristais e pedras preciosas.

Frequências de ervas e plantas medicinais.

Frequências de homeopáticos e isopáticos.

Frequências sonoras.

Frequências de formas geométricas.

Frequências de Nogier

Frequências de afirmações.

Frequências de óleos essenciais.

Frequências de vitaminas, sais minerais e nutrientes

Frequências de neuro mediadores

Frequências de medicamentos alopáticos 

e muitas outras